ALGUNS ACONTECIMENTOS EM 1990

Quando completou 15 anos, em 6 de março de 1990, o GREBAL lançou um ivreto com 12 páginas para comemorar a efeméride. Dentro, trazia os nomes dos
associados e uma relação com todos os presidentes. Na segunda página Francisco Nogueira Mendonça escreveu um texto intitulado “São as parcelas que dão
importância à soma”. Em um trecho desse texto ele diz:

“Se o passado nos ensina a confiar no futuro, podemos estar certos de que o patrimônio e a credibilidade já conquistados levarão o GREBAL muito mais longe. Daqui para a frente, como antes, não faltarão ao nosso Grêmio as principais forças geradoras de seu crescimento e de sua afirmação: o apoio decisivo dos associados
(sempre em número crescente) e a persistência dos diretores. Continuamos a crer e a batalhar!”

Em 31 de agosto de 1990 aconteceu no GREBAL um recital de violão com o violinista Dr. Pedro Augusto Mena Barreto. Após a apresentação, uma placa marcando o evento foi entregue ao músico. Depois foi servido um coquetel.

Um dos sonhos dos grebalistas estava praticamente concretizado em 1990, a sede própria. Faltava apenas terminar a construção do 3º pavimento. Outro sonho acabou não se realizando, uma oficina gráfica própria, onde pudesse imprimir seus livros. Na reunião de 26 de setembro de 1990, o presidente Osias de Andrade Corrêa informa que esteve com o grebalista Célio Pivello, proprietário da Gráfica Gazetilha, para conseguir informações a respeito de equipamentos gráficos, e ficou sabendo que o custo de uma impressora Off-Set nova ficava em 25 milhões de cruzeiros, e que uma usada, em bom estado, ficaria por 5 milhões. O custo total de um oficina montada com uma máquina usada seria de aproximadamente dez milhões de cruzeiros, um dinheiro que o Grêmio não tinha.