RESENHAS

RESENHAS, RESUMOS E OPINIÕES SOBRE GRANDES LIVROS

A metamorfose



por Biblioteca do GREBAL


Autor: Franz Kafka
Editora: Companhia das letras
104 págs.
Resenha de Arthur "Boogeyman" Döhler


Maçãs sob camadas de couro

Metamorfose é a mais célebre novela do mestre da ficção universal, Franz Kafka, publicada originalmente em 1915 na língua alemã.
A leitura de um clássico sempre proporciona a expansão de limites criativos aos desafiantes do gênero, Kafka, sabe muito bem como fazer isso construindo mistérios vazios, que muitas vezes se desfecham sem revelações finais. Isso porque o autor esconde os significados de suas obras através da interpretação do processo dirigido por elas. Sendo assim, jamais, em tremenda hipótese, espere ler um livro de Franz Kafka que o agraciará nas últimas páginas com a conclusão absoluta de todos os fatos, e muito menos com eventos que os antecedem. Arrisco dizer que em suas obras, cada pedaço é uma parte inestimável de um todo que não pode ser composto por meras sutilezas. – E a partir do momento que você entender isso, perceberá que afinal, conclusões nunca foram necessárias.
Essa novela, em particular, traz consigo uma metáfora poderosa sobre a condição humana de uma maneira geral. O estado transformado de Gregor Samsa é corriqueiramente associado a casos de enfermidades severas, em que sob a ótica desta persona dramática percebemos a impotência do conceito de vida mediante as depreciações do mundo que o cerca. Retratado através dos devaneios de um inseto gigante, Gregor assiste sua estrutura familiar ruir perante seus muitos olhos. E nessas interpretações cavadas de textos fantásticos, Kafka nos mergulha em sua jornada através da ficção com intermediários rudimentares e uma forma de produzir histórias que exige muito do leitor. Tanto pela sua linguagem rebuscada como pelas analogias que ela cria.
Para o leitor moderno, assistir Kafka redigir seu discurso acerca da singularização do pretexto de vida pode parecer uma missão difícil de cumprir. parafraseando um autor de clássicos: “Clássicos são livros que todos adoraria ter lido. Mas nunca leem.”
Compreender as transformações de Metamorfose é simples quando entendemos sua mensagem central e trágico quando atravessamos sua camada de humor sofisticado para alcançar sentidos mais obscuros. No geral, o autor nos ensina que não é preciso muito contexto para elaborar uma boa novela, apenas o bastante para nos mantermos curiosos. – E curiosamente, toda transformação pode ser adaptada se vivemos o bastante para nos acostumarmos com novas formas. Se você se acostumar com os modestos infinitos de Kafka, garanto, irá se apaixonar por cada um deles.


Nota: 4.5/5

Autor da resenha: Boogeyman (Arthur Döhler)