RESENHAS

RESENHAS, RESUMOS E OPINIÕES SOBRE GRANDES LIVROS

Um estudo em vermelho



por Biblioteca do GREBAL


Autor: Sir Arthur Conan Doyle
Editora: Melhoramentos
248 págs.
Resenha de Arthur "Boogeyman" Döhler


Os esquisitões da rua Baker

Antes de qualquer coisa, deve-se admitir que Conan Doyle, por questões de Zeitgeist, mantém uma escrita rebuscada característica da época. Sendo assim, acredito primeiro que uma aventura de Sherlock Holmes não seja a melhor opção para qualquer leitor, principalmente os que estão começando sua jornada literária. Mas qualquer leitor deveria ler Sherlock Holmes, e os motivos para isso, perdoai o trocadilho, são fáceis de deduzir.
Um estudo em vermelho é sem dúvidas, a introdução perfeita ao mundo incrivelmente detalhado, analítico e sarcástico do maior detetive que Londres já teve. O dinamismo gerado pelo convívio de Holmes e Dr. Watson é algo único, capaz de sobreviver através do tempo e entrar para história como uma definição sólida de “dupla dinâmica.” Acompanhar o nascimento dessa parceria é um privilégio para qualquer fã de investigação. Holmes, uma das figuras mais carismáticas já criadas no mercado literário, consegue encantar e frustrar em muitas ocasiões. Seus profundos momentos de dedução e enigmas sem respostas óbvias para todo observador a não ser ele mesmo, roubam qualquer cena do crime, sua postura constantemente egocêntrica e seu comportamento arrogante afastam as pessoas, mas atraem os leitores para perto. Sherlock introduziu ao gênero policial um elemento histórico: a arte de revelar mundos escondidos nos detalhes em todas as coisas, e Conan Doyle exprime essas conclusões rápidas de maneira precisa e objetiva. – De uma forma que apenas o detetive consultor pode exprimir.
Com o trabalho policial em seu máximo, além do carisma de Watson e Holmes, não há forma melhor de embarcar nesse universo criado pelo autor britânico do que senão através de “Um estudo em vermelho”. Estudar essa obra, pode ser vagaroso. A linguagem utilizada por Arthur e seu ritmo extensivo, com enigmas que se abrem e fecham através de grandes intervalos de páginas podem frustrar amadores do suspense. De fato, não recomendo esse livro para aqueles que não possuem quantidade considerável de bagagem literária. Ler Sherlock Holmes exige paciência, atenção aos detalhes e analisar cada quadro com a acidez de seus personagens, é fácil se perder ao longo de uma história que se desenvolve com tão poucos momentos de clareza. E admito que o protagonista mais amado de Scotland Yard (ou não), apesar de ter todas as respostas, não irá facilitar nem um pouco seu trabalho.
Mas se você sente-se disposto para escutar tudo que Conan Doyle tem para revelar, elementar, caro leitor, deixar esse conjunto de clássicos passar é um crime banal. E os crimes banais, são os mais difíceis de resolver.

Nota: 4/5

Autor da resenha: Boogeyman (Arthur Döhler)